Header Ads

Viktor Orbán e a sua Loucura Infantil

(Foto: Lazlo Balogh/Reuters)

Felcsút é uma pequena vila no condado de Fejér na Hungria, ela se encontra a 40 km da capital Budapest. Andar por esta localidade é bem simples e rápido, ela conta com apenas uma rua principal onde você encontra os serviços básicos  e nas  ruas adjacentes encontram-se majoritariamente as casas pequenas dos moradores.

Esses dados não são impressionantes, são até bucólicos. Tudo se encontraria em clima de naturalidade se essa pequena vila não fosse a região onde se encontra a  Pancho Arena, casa do Puskas Akademia FC (PAFC).

Com capacidade para 3800 torcedores, a Pancho Arena foi construída em 2014 e ganhou o apelido de "Catedral" pela sua arquitetura singular para um estádio de futebol.  As discrepâncias começam quando o senso hungaro mostra que a população de Felcsút é de 1688 pessoas.
Um estádio grandioso, maior que a cidade onde está localizado, já seria motivo para saltar os olhos. A situação fica mais suspeita quando você descobre que esta pequena vila foi o  local onde o atual Primeiro Ministro  hungaro, Viktor Orbán, passou a sua infância.

O governista de extrema-direita sempre foi um apaixonado por futebol, chegou até a atuar de forma amadora nas divisões inferiores do futebol hungaro quando jovem. Como todo admirador do esporte bretão na Hungria, o seu ídolo maior é a lenda do Real Madrid, Ferenc Puskás. 
Essa paixão fez com que ele se tornasse um dos responsáveis pela criação do PAFC em 2005 (mesmo que Puskás não tenha qualquer relação com a região do clube homônimo). O atual presidente do clube é Loric Meszaros, amigo de infância de Orban e, curiosamente, prefeito de Felcsut.

Com o aval da prefeitura para que uma obra desproporcional fosse erguida, a  questão burocrática foi ultrapassada. Faltava arranjar os recursos financeiros para a execução desse projeto, Orbán então utilizou sua posição privilegiada no governo e convocou mais alguns "amiguinhos". 
A obra que levantou a Pancho Arena contou com ajuda do dinheiro público (tal qual os estádios como a Arena Corinthians em São Paulo) e uma ajuda do capital privado. Dois investidores foram fundamentais nesse processo: István Garancsi e Laszlo Szíjj.

O primeiro é um magnata local e dono da maior equipe da região de Fejér, o Videoton FC. O segundo é amigo de Orban e de István Garancsi, o mais famoso oligarca da construção civil da Hungria.
O cenário criado por Orbán e seus associados é megalômano. Um estádio exuberante maior que a cidade onde ele está localizado, um clube que está disputando a primeira divisão hungara que gasta dinheiro em contratações muito acima do suporte financeiro que os 1688 moradores de Felcsút poderiam proporcionar. Tudo isso sendo alvo de críticas por mostrar um retrato de claro sistema de corrupção.

Então você pode pensar, a Federação de Futebol da Hungria (CBF deles) pode intervir e punir o PAFC...

Punir um clube umbilicalmente ligado ao Primeiro Ministro não parece ser muito simples. Porém, Orbán já resolveu essa possível questão também. 

Quem comanda a "CBF Hungara" é Sandor Csany, este  senhor de 66 anos é amigo de Orbán e só está nesse cargo por lobby feito pelo governate maior da Hungria. Não bastasse essa promiscuidade,  Sandor é o homem mais rico daquele país, dono do banco OTP.
Curiosamente, sabe qual é o nome oficial do campeonato húngaro de futebol?

OTP Bank League

Percebe-se, desta maneira,  que Orbán manipulou a política hungara e desvirtuou a direção do futebol local para que sua obsessão pelo futebol fosse saciada. O Púskas Akademia FC é fruto de um delírio do Primeiro Ministro,  para saciar a sua loucura ele utilizou o dinheiro do povo, favoreceu amigos e utilizou de maneira infâme o nome do maior ídolo local.

Por essas e outras, o partido de Orbán, o reacionário FIDESZ perdeu muitas cadeiras na última eleição húngara que ocorreu neste mês de outubro. 

Para chorar as mágoas, o Primeiro Ministro têm um estádio quase particular para jogar bola com seus colegas abonados, lá eles  serão observados por algumas pessoas e milhares de cadeiras vazias.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.