Header Ads

Eu odeio amar Diego Tardelli

Tardelli disciplinando seu filho, o Cruzeiro.
(Foto: Bruno Cantini/Atlético)
Antes de qualquer coisa: já ouviu o Linhacast, podcast do Linha de Fundo? Clique aqui e conheça!


E vamos falar de Diego Tardelli...

Seis anos depois, o homem tá de volta. Depois de peregrinar por China e Rio Grande do Sul em busca da sua inalcançável independência financeira, ele finalmente aceitou voltar. Com contrato curto, ganhando metade do que ganhava no Grêmio (mas ainda é um valor bem alto pra um jogador de 34 anos), mas com quase o mesmo prestígio do passado.

Queria falar um pouco da minha relação com o careca da camisa 9. Ele foi um dos meus primeiros ídolos no Galo, lá em meados de 2009, quando passei a acompanhar futebol, de verdade. Ele, no Mineirão, só não fazia chover. Mesmo num time que tinha Jonilson, Evandro, Welton Felipe e afins, ele conseguia se destacar. Foi o artilheiro absoluto daquela temporada. No Brasileirão, mesmo com a equipe pegando um broxante 7º lugar, Tardelli foi o que fez mais gols, junto com Adriano Imperador, do campeão Flamengo.

Mesmo sem ter ganho nada além de um Campeonato Mineiro, saiu do Atlético em 2011 com status de ídolo. De fato, Diego era o ponto de felicidade em meio as decepções que o time nos dava. Ao ir embora, prometeu voltar em breve, deixando milhões de torcedores com saudade e o nosso rival, órfão.


Tardelli vencendo o fascismo na final da Copa do Brasil 2014.
(Foto: Bruno Cantini/Atlético)
Dois anos se passaram. Lembro que tinha acabado de criar minha conta no Twitter, inclusive participei do pandemônio que foi a #TwittaKalil. Acho que só a torcida do Botafogo, pedindo o Honda, nos superou no quesito "encheção de saco nas redes sociais".

Depois de tanta campanha pelo retorno do artilheiro, o então presidente do Galo finalmente resolveu twittar, pra alegria da torcida mais insuportável do mundo. Tardelli havia voltado. 

Dessa vez, ele não seria o "oásis técnico" num monte de perebas, como na primeira passagem. Muito pelo contrário. Ele era a "cereja do bolo" (termo usado à época) que iria completar um timaço que já contava com Jô, Bernard e Ronaldinho. Ou seja, naquele momento, ele havia sido repatriado pra ganhar títulos grandes, que era o que faltava para solidificar seu nome como ídolo do Alvinegro.

E eles vieram. O goleador foi peça fundamental em ambos, tanto na Libertadores 2013, quanto na Copa do Brasil, contra a URT da capital, na final mais fácil da história do campeonato nacional.

Porém, no começo de 2015, ele resolveu sair de novo. Dessa vez, pra encher o rabicó de dinheiro lá na China. Em sua despedida, citou a busca por independência financeira como razão para ir embora. Aí eu fiquei cabreiro. O sujeito passa um tempo na Rússia e no Qatar ganhando muito bem, volta pro Galo ainda com um bom salário e ainda quer independência financeira? Irmão, se você não consegue ser independente ganhando 300, 400 conto por mês, você é um merda. Mas ele não quis ficar, vida que segue.

Durante seu período na Ásia, ele nunca deixou de falar do Galo. Pra mim, conversa fiada. Para os outros, amor incondicional. E assim foi até 2019, quando Tardelli deixou seu clube na China e ficou livre no mercado. A torcida, obviamente, o pediu de volta. A diretoria atleticana prontamente atendeu e lhe fez uma proposta. O cara respondeu pedindo incríveis R$ 40 milhões por duas temporadas. Como ele ama bastante o Galo, fez um descontinho: baixou a exigência pra suaves R$ 35 milhões. Como vocês já sabem, não rolou negócio e ele foi para o Grêmio enriquecer as suas futuras gerações.


Foto: Bruno Cantini/Atlético
Com isso, aquela impressão de que ele só ama quem lhe paga mais só se confirmou. E muita gente se voltou contra ele. Virou persona non grata. E eu jurei não perdoá-lo. Critiquei-o, sempre que possível. 

Mas aí, chegou o dia 12/02/2020. E ele retornou ao Clube Atlético Mineiro. No princípio, relutei, mas na sequência me bateu uma nostalgia, sabe? Os inúmeros gols, os títulos, a sua paternidade em relação ao nosso finado rival e principalmente, o fato de ele ser infinitamente melhor que Di Santo e Ricardo Oliveira. Com esses fatores, não dá pra ficar emburrado com o seu regresso.

Bem-vindo de volta, Tardelli. Espero que você não nos troque por um time lixo da Indonésia pra ganhar mais dinheiro. E é bom ir fazendo muitos gols, eu ainda não te perdoei totalmente.

@victismo | @LF_Site

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.