Header Ads

O vírus Sette Câmara

Foto: Lance
Antes de qualquer coisa: já ouviu o Linhacast, podcast do Linha de Fundo? Clique aqui e conheça!

O Atlético passou, na última quarta-feira, por um dos maiores vexames dos seus 111 anos de história. Eu diria até que só não foi pior do que o rebaixamento de 2005. Isso porque Sérgio Sette Câmara ainda não conseguiu nos levar a Série B, apesar de estar se esforçando muito para isso. 

Perdemos para um time que não tem nem 10 anos de fundação. A nossa folha salarial pagaria a do Afogados até a próxima encarnação. Eles pretendem construir um CT com a premiação obtida pela classificação e o goleiro deles usa boné a noite. Enfim, eu poderia mencionar um monte de coisas que só aumentariam a nossa vergonha e, consequentemente, a glória do Afogados.

Mas não é do jogo que eu quero falar, nem do surto coletivo que o sucedeu, com as demissões da madrugada, que eu vou tratar em outro texto. Hoje, eu vou dedicar este espaço apenas ao presidente Sérgio Sette Câmara, um dos piores presidentes da nossa história.

O problema do Galo não se resume aos vários fracassos que ele coleciona, ou aos 6 treinadores e 3 diretores de futebol que passaram por aqui desde quando ele assumiu o Clube, em 2018.

A merda em que estamos inseridos não se deve somente a sua falsa austeridade, que pagou milhões para trazer jogadores que não renderam nada e que ainda nos cobram valores exorbitantes na Justiça. 

O dano que Sérgio Sette Câmara causa ao Clube Atlético Mineiro é muito maior. Com sua incompetência, afasta a torcida, nosso maior patrimônio. Após o jogo de ontem, o grupo Embaixadores do Galo, conhecido por fazer um excelente trabalho espalhando o atleticanismo pelo mundo, simplesmente suspendeu as atividades por causa da zona que domina o time que amamos. Isso é muito grave!

E não é só isso. O presidente atleticano é tão arrogante que bloqueia os torcedores que o criticam nas redes sociais, inclusive usa o perfil oficial do Galo para isso. E pior: processa quem o questiona. É prepotente e completamente desconexo da realidade. Pensa que nos faz um favor ao presidir o Galo. 

Sette Câmara, com todas as suas atitudes equivocadas e sem critério, já não me enraivece mais. Apenas me entristece, me tira a vontade de torcer para o Galo, me desanima. E o pior de tudo é que esse sujeito é tão vaidoso que não terá a hombridade de assumir seus erros e sair fora. Demite todo mundo a cada quatro meses, mas é o único que fica. E ainda pensa em reeleição. 

Ele, com seu ego maior que a visão da realidade, tomou o Atlético para si, ao utilizar o Clube para objetivos pessoais (lembram daquela fotinha patética com o presidente da República?), e o destrói, pouco a pouco, tal qual um vírus de uma doença. E assim, o Clube vai desmoronando nas mãos da sua completa falta de capacidade de comandar uma instituição gigantesca como o Galo.

O futuro é assustador. Conseguimos a proeza de arrumar uma crise no ano em que deveríamos apenas curtir a desgraça do rival. Mas o amadorismo do nosso mandatário, que usa treinadores, diretores e jogadores de escudo para esconder seu péssimo trabalho, jogou o nosso ano praticamente no lixo. Ele quer que acreditemos que o nosso principal problema é o Dudamel, Rodrigo Santana, Thiago Larghi, Oswaldo de Oliveira, Rui Costa, Marques e afins, quando na verdade o problema é ele, o vírus Sette Câmara.

Siga o autor no Twitter

@victismo

5 comentários:

  1. Concordo plenamente com a sua crítica.
    Temos muitos jogadores que estão nos campos de várzeas que daria a vida para ser descoberto por um grande clube ,mas que infelizmente os empresários não os deixa entrar nesta seleta classes,que jogaria muito melhor que o Di borreiro,De santos,e vários outros que só estão recebendo seus salários sem dar o retorno devido ao clube,esta na hora dos clubes estipular metas e colocar os salários de acordo com os rendimentos dos profissionais,sou capaz de apostar que os clubes teriam mais sucesso e menos prejuízo.N em só de estrelas se dá o sucesso de em clube.fica dica.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.