Header Ads

O futuro atleticano

Saudações Rubro Negras!

O Atlético estreou bem na série B e venceu o Oeste em Catanduva-SP, mas como devemos ver este primeiro jogo sob o comando de Marcelo Cabo? Foi um jogo ótimo para analisarmos o time que temos no momento e observar seus pontos fortes e também os fracos para saber até onde o Dragão pode chegar, e pensando bem, há mais motivos para o atleticano ter um sorriso no rosto do que lágrimas nos olhos.


Todo bom time começa por uma defesa sólida

O Dragão conta com uma defesa confiável, começando pelo capitão, o goleiro Márcio, que é um exemplo de liderança dentro e fora de campo e um talento absurdo dentre as traves, o miolo de zaga conta com, além de Marcus Winicius que está lesionado, Marllon e Lino que atuaram muito bem contra o Oeste, se não fossem a frieza de ambos o Rubrão teria chegado ao empate e talvez até virado a partida.

Nas laterais o Atlético está bem servido na direita com Ednei, o homem da bola parada rubro negra, na esquerda temos o contestado Romário, porém já pode ser notada uma melhora de postura do lateral com o novo comandante, foi dele a assistência para o gol da vitória, assim ganha uma sobrevida com a torcida atleticana.

O meio campo é a alma do jogo

A meiuca rubro negra ganhou um reforço nas ultimas semanas que já mostrou a que veio, o volante Michel jogou bem e deu outra qualidade na saída de bola do Dragão, além dele contamos no time com a raça de Pedro Bambu, os habilidosos Magno Cruz e Jorginho, que está no departamento médico, William Schuster, que tem um ótimo passe e um chute de longa distância muito bom, e o garoto Luís Fernando, que atua de meia-atacante e vem jogando bem esse ano com o manto.

Nosso meio campo é um dos melhores da Série B em conjunto, na ultima partida já podemos observar uma melhora de aproximação com o ataque e várias triangulações surgiram entre os zagueiros do Oeste, inclusive em uma delas surgiu o nosso tento.

Um ataque para melhorar

É inegável a qualidade do nosso comandante do ataque, Júnior Viçosa, porém esse ano ele está devendo, muito por conta da falta de entrosamento que se via com o meio campo. No ultimo jogo Júnior Viçosa deu uma melhorada significativa em relação ao estadual, teve três chances de gol sendo duas em jogadas aéreas e uma pelo chão, a qual foi convertida, ele é a esperança de gols do Atlético durante a Série B e é de extrema importância que ele mantenha a atuação contra o Oeste e, porque não, até melhore para que podemos ter uma esperança de disputar lá em cima.

Junto ao Viçosa, temos o recém-chegado Caion, que jogou alguns minutos contra o Oeste e não mostrou muita qualidade, pode ser perdoado pela falta de entrosamento com os colegas de grupo e pela péssima qualidade do gramado em Catanduva. Temos também o contestadíssimo Gilsinho que não havia atuado bem em nenhum jogo oficial, apenas contra o Gama na pré-temporada, porém ele mostrou confiança e personalidade no ultimo confronto e promete ser um baita reforço para o ataque atleticano, assim como Viçosa, tem que manter a atuação para que possamos sonhar mais alto.

O Comandante

Chegou como um desconhecido e com a tarefa de substituir um treinador muito querido por toda a torcida atleticana, mas já está mostrando que não veio para brincar e quer aparecer no cenário nacional. Este é Marcelo Cabo, que está conseguindo fazer um trabalho interessante neste início.

Cabo comandou alguns treinamentos aonde o time vinha com melhora notável no toque de bola e nas triangulações, aproximou mais o time e cobrou isso durante o jogo. O resultado nós vimos no primeiro tempo, o time não deu chutão e tocava a bola com zaga, meio e ataque participando de toda armação de jogada. A expectativa é grande em torno do comportamento dos jogadores durante o campeonato.

O time em geral

O preparo físico deixa a desejar, vimos durante o Campeonato Goiano que o Atlético não acompanhava os adversários nesse quesito e, com o trabalho do preparador físico permanente Jorge Sotter, a tendência é que melhore consideravelmente esse aspecto em algumas rodadas para que não passemos um sufoco no segundo tempo contra todas as equipes da série B.

O Atlético tem jogadores bons para fazer um bom grupo, não temos um grupo adequado ainda para lutar por acesso e a diretoria sabe disso. O Atlético precisa de jogadores pontuais para pleitear algo maior na série B e eles chegarão.

O Futuro?

Sempre é bom começar o campeonato buscando os 45 pontos para se livrar logo do fantasma do rebaixamento, mas porquê não pensar mais alto? Quem pensa em acesso nunca irá rebaixar. Esse pensamento tem que partir da própria torcida e contagiar os jogadores com ele, sonhem com acesso, sonhem com o título inédito da Série B, mesmo que pareça improvável agora.


Para um clube que em 2005 estava na Série B do Campeonato Goiano e em cinco anos chegou à elite do futebol brasileiro, sonhar é o começo para grandes conquistas.

Wendel Azeredo || @AtletiCorneta
Equipe Linha de Fundo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.