Header Ads

Até onde o camaleônico esquema de Max Allegri pode chegar?

Certo ou não, Allegri segue mudando (foto: Sky.it)
"Os números pouco importam, mas sim a função exercida", Massimiliano Allegri é daqueles treinadores que não se retém em mudar a formação tática da sua Juventus de acordo com os adversários, suas visões e previsões para os jogos que seguem na corrida da gigante de Turim em busca do sexto Scudetto, da tão sonhada UEFA Champions League, além da Coppa e SuperCoppa Itália (esta a ser definida ainda este ano), mas afinal, as variações táticas antes e durante os jogos podem fazer, de fato, a Juventus sonhar com voos distantes na máxima das competições do velho mundo?

A dúvida entre os torcedores é comum, seja em qualquer grupo de qualquer nação do globo: Qual a melhor tática para a Juventus? A pergunta recorrente que fica no ar segue sem respostas, até porque com a bola e sem são visíveis as mudanças de posicionamento que fazem a defesa se solidificar e permitir ainda as singularidades de jogadores de setores diferentes.

Contra o Torino, a Juve exibiu o 4-3-3 com a bola, atacando com Mandzukic se movimentando enquanto Higuaín permanecia fixo e Cuadrado correndo pelo flanco direito, mas sem a bola era o 4-4-2 em linha, com Sturaro fechando na esquerda e Cuadrado marcando Barreca que obteve boas jogadas diante do colombiano. O gol da equipe granata, por exemplo, teve Iago e Zappacosta marcados por Alex Sandro e Sturaro, mas Baselli avançou onde Marchisio não cobriu desde a origem e permitiu o cruzamento preciso para Belotti.

Diante da Atalanta, no jogo anterior, o 4-3-1-2 foi destaque com Pjanic livre para criar e flutuar como meia de ligação atrás dos dois atacantes, o dito trequartista, enquanto Sturaro cobria o lado canhoto quando Alex Sandro fazia das suas e a movimentação ofensiva do jogador que tecnicamente é a quem do padrão no elenco, fez o suficiente para abrir espaço para o gol do brasileiro (mantendo seu crescimento e cada vez mais essencial para a Juve).

Durante grande parte da temporada, muitas vezes foi visto o 3-5-2 padrão, vimos também o 3-4-1-2 com Pjanic mais solto, mas defensivamente era sofrível e a movimentação ofensiva também não agradou em alguns jogos apesar dos números bons de gols e assistências na temporada para o bósnio. Uma das variações usadas foi o 3-5-2 com Evra ou Lichtsteiner como um dos zagueiros, permitindo que o módulo alternasse para o 4-4-2/4-3-3 quando com a bola, dependendo dos demais escalados.

A verdade é que não se tem uma resposta, vai depender e muito do adversário e dos jogadores a disposição. No início da temporada se pensava no 3-5-2 com Buffon; Barzagli, Bonucci, Chiellini; Dani Alves, Khedira, Marchisio, Pjanic, Alex Sandro; Dybala e Higuain. Este time ainda não jogou junto, talvez nem treinado juntos por conta das lesões ocorridas, o que deixa qualquer previsão em caráter de dúvida. Isso pode ser bom para a Juve, pois ser imprevisível na forma de jogar é interessante, mas não se encontrar por conta das escolhas de Allegri é um risco que parece ser calculado pelo treinador e seus comandados que seguem firmes e fortes em busca de todas as taças a disputar.

Enfim, o fato é que Allegri seguirá mudando e o campo dará o seu veredito, como sempre o fez, se as mudanças são justas ou não com o melhor rendimento da equipe que evolui pouco a pouco.

A Juventus vencendo ou não as respostas virão e com ele as cobranças.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.